MANUAL DE ORIENTAÇÃO

DEPARTAMENTO DE ADOLESCÊNCIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA

Manual de Orientação Departamento de Adolescência

no 1, Outubro de 2016

  
 

Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital

 

Departamento de Adolescência


Presidente: Secretária: Conselho Científico:

Colaboradores:

Alda Elizabeth Iglesias Azevedo
Evelyn Eisenstein
Beatriz Elizabeth B. Veleda Bermudez, Elizabeth Cordeiro Fernandes, Halley Ferraro Oliveira, Lilian Day Hagel, Patrícia Regina Guimarães, Tamara Beres Lederer Goldberg
Alessandra Borelli (Nethics, SP), Alexandre Barbosa (CGI-CETIC, SP), Cristiano Nabuco (PRO-AMITI), Daniel Becker (RJ),
Eduardo Jorge Custódio da Silva (RJ), Emmalie Ting (RJ), João Amaral (CE), Juliana Abrusio (Nethics, SP), Maria Eugenia Sozio (CGI-CETIC. SP),
Michael Rich (CMCH, Boston), Miriam von Zuben (CGI-CERT, SP),
Susana Bruno Estefenon (RJ), Suzy Santana Cavalcante (BA),
Tereza Sigaud Soares Palmeira (RJ), Vic Strasburger (Univ New Mexico, USA)


Premissas

Há benefícios e malefícios que têm acompanhado a tecnologia digital. São de fundamental importância o bom senso e a informação adequada que os pediatras devem enfatizar para as famílias, crianças e adolescentes sobre este assunto.

As tecnologias da informação e comunicação estão transformando o mundo à nossa volta e os comportamentos e relacionamentos de todas as pessoas. Buscar informações e adquirir novos conhecimentos são tarefas quase instantâneas, no clicar do teclado ou no deslizar dos dedos num telefone celular. Crianças e adolescentes fazem parte da geração digital e usam os dispositivos, aplicativos, videogames e a Internet cada vez mais em idades precoces e em todos os lugares.

Alguns dos pais, também nativos digitais, não percebem as mudanças ou problemas que vão surgindo, como se tudo já fosse parte da rotina familiar.

Os benefícios e prejuízos dessas tecnologias permanecem sendo foco de atenção de todos os profissionais que lidam com as questões da saúde durante a infância e a adolescência e de- mandam novas legislações a respeito. No Brasil, a Constituição Federal (1988) no artigo 5o inciso X, assegura proteção à privacidade e, no artigo 227o, a proteção integral da criança e do adolescente como prioridade absoluta de acordo com a Convenção dos Direitos da Criança aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas (1989). O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei 8069 de 1990, em seus artigos 240 e 241 descreve como crime a produção de fotos, imagens ou transmissão de conteúdo com cenas

page1image26512

1

Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital

de sexo explícito ou pornografia e foram alterados pela Lei 10.764 de 2003 para incluir a ilici- tude da conduta no âmbito da Internet e tornar as penas mais graves. O artigo 73o do ECA prevê ainda, que a inobservância às normas de prevenção aos direitos da criança importará em respon- sabilidade da pessoa física ou jurídica, nos termos da Lei.

A recente Lei no 12.965 de 2014 – o Marco Civil da Internet em seu artigo 29o – explicita a necessidade do controle e vigilância parental e a educação digital, como formas de proteção frente às mudanças tecnológicas, em especial sobre os impactos provocados nas famílias e, especificamente, nas rotinas e vivências das crianças e dos adolescentes. Porém, tanto os pais como os educadores nas escolas precisam aprender como exercer esta mediação e serem alertados sobre os riscos e os limites necessários para assumirem esta responsabilidade. Além disso, as crianças e adolescentes devem ser informados das necessidades de hábitos saudáveis, de modo sistemático. A Lei 13.185 de 2015 – institui o programa de combate à intimidação sistemática e fatos ou imagens que depreciem, incitem à violência, adulteração de fotos ou dados pessoais com o intuito de criar meios de constrangimento psicossocial (bullying) ou através da rede mundial de computadores (cyberbullying), pois este fato vem se tornando frequente e apresenta con- sequências perigosas.

Estudos científicos comprovam que a tecnologia influencia comportamentos através do mundo digital, modificando hábitos desde a infância, que podem causar prejuízos e danos à saúde. O uso precoce e de longa duração de jogos online, redes sociais ou diversos aplicativos com filmes e vídeos na Internet pode causar dificuldades de socialização e conexão com outras pessoas e dificuldades escolares; a dependência ou o uso problemático e interativo das mídias causa problemas mentais, aumento da ansiedade, violência, cyberbullying, transtornos de sono e alimentação, sedentarismo, problemas auditivos por uso de headphones, problemas visuais, problemas posturais e lesões de esforço repeti- tivo (LER); problemas que envolvem a sexualidade, como maior vulnerabilidade ao grooming e

2

sexting, incluindo pornografia, acesso facilitado às redes de pedofilia e exploração sexual online; compra e uso de drogas, pensamentos ou gestos de autoagressão e suicídio; além das “brincadeiras” ou “desafios” online que podem ocasionar consequências graves e até o coma por anóxia cerebral ou morte.

Dados e indicadores da pesquisa realizada pelo Comitê Gestor da internet (CGI) e o Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade de Informação (Cetic.br), a TIC KIDS ONLINE-Brasil de 2015 estudaram, em entrevistas domiciliares nos 350 municípios das cinco regiões do Brasil, 3068 famílias selecionadas em amostragem estratificada com os pais de crian- ças e adolescentes entre 9 a 17 anos de idade. Do universo de 29.7 milhões nesta faixa etária, 23.7 milhões ou 80% são usuárias da Internet: 97% nas classes sociais A e B, 85% na classe C e 51% nas classes D e E. O uso diário é intenso e 66% acessam a Internet mais de uma vez ao dia. O telefone celular se tornou o principal disposi- tivo em 83%, além dos computadores de mesa, tablets ou computadores portáteis ou consoles para videogames. Importante observar que 1 em cada 3 crianças e adolescentes ou 31% da amos- tra acessaram a Internet apenas por meio do te- lefone celular, 86% em casa, 73% na casa de ou- tra pessoa, 31% na escola e 19% em lanhouses. Dados relevantes e demonstrativos dos danos à saúde podem ser resumidos, como: em 37% viram alguém ser discriminado na Internet, nos últimos 12 meses ou 8,8 milhões de crianças e adolescentes que são expostos aos discursos de ódio, intolerância e violência, além de 20% que foram tratadas de forma ofensiva na internet, ca- racterizando uma das formas de cyberbullying.

Nesta amostra, 21% dos adolescentes deixa- ram de comer ou dormir por causa da internet, 17% procuraram informações sobre formas de emagrecer, 10% formas para machucar a si mes- mo (self-cutting), 8% relataram formas de experimentar ou usar drogas e 7% formas de cometer suicídio. Muitos outros dados merecem nossa reflexão, como: 77% enviam mensagens instantâneas ou usam as redes sociais quando sozinhos e 61% já postaram fotos ou vídeos na Internet, 39% já tiveram contato com pessoas que não conheciam pessoalmente e 18% encontraram com desconhecidos – sendo que na faixa etária entre 15-17 anos este dado aumenta para 27% – além de 21% já terem repassado informações pessoais para outras pessoas que só tiveram contato a partir da relação online. Em 11% das famílias, os pais nada sabiam sobre as atividades de seus filhos e em 41% sabiam mais ou menos, demons- trando os problemas de segurança e de privacidade de crianças e adolescentes que assim estão expostos numa rede totalmente incontrolável e accessível em qualquer momento ou horário ou de qualquer lugar.

Portanto, a SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (SBP), que agrega 22.000 médicos pediatras cuidando do futuro do Brasil, RECOMENDA:

  • O tempo de uso diário ou a duração total/dia do uso de tecnologia digital seja limitado e proporcional às idades e às etapas do desen- volvimento cerebral-mental-cognitivo-psi- cossocial das crianças e adolescentes.

  • Desencorajar, evitar e até proibir a exposição passiva em frente às telas digitais, com exposição aos conteúdos inapropriados de filmes e vídeos, para crianças com menos de 2 anos, principalmente, durante as horas das refeições ou 1-2 h antes de dormir.

  • Limitar o tempo de exposição às mídias ao máximo de 1 hora por dia, para crianças entre 2 a 5 anos de idade. Crianças entre 0 a 10 anos não devem fazer uso de televisão ou computador nos seus próprios quartos. Adolescentes não devem ficar isolados nos seus quartos ou ultrapassar suas horas saudáveis de sono às noites (8-9 horas/noite/fases de crescimento e desenvolvimento cerebral e mental). Estimular atividade física diária por uma hora.

  • Crianças menores de 6 anos precisam ser mais protegidas da violência virtual, pois não conseguem separar a fantasia da realidade. Jogos online com cenas de tiroteios com mortes ou desastres que ganhem pontos de recompen- sa como tema principal, não são apropriados em qualquer idade, pois banalizam a violência como sendo aceita para a resolução de conflitos, sem expor a dor ou sofrimento cau- sado às vítimas, contribuem para o aumento da cultura de ódio e intolerância e devem ser proibidos.

• Estabelecer limites de horários e mediar o uso com a presença dos pais para ajudar na compreensão das imagens. Equilibrar as horas de jogos online com atividades esportivas, brincadeiras, exercícios ao ar livre ou em contato direto com a natureza.

• Conversar sobre as regras de uso da Internet, configurações para segurança e privacidade e sobre nunca compartilhar senhas, fotos ou informações pessoais ou se expor através da utilização da webcam com pessoas desconhecidas, nem postar fotos íntimas ou nudes, mesmo com ou para pessoas conhecidas em redes sociais.

• Monitorar os sites/programas/aplicativos/ filmes/vídeos que crianças e adolescentes estão acessando/visitando/trocando mensagens, sobretudo em redes sociais. Manter os computadores e os dispositivos móveis em locais seguros, e ao alcance das responsabilidades dos pais (na sala) ou das escolas (durante o período de aulas).

• Usar antivírus, antispam, antimalware e softwares atualizados ou programas que servem de filtros de segurança e monitoramento para palavras ou categorias ou sites. Alguns restringem o tempo de uso de jogos online e o uso de aplicativos e redes sociais por faixa etária. Ainda assim, é importante explicar com calma e sem amedrontar as crianças e adolescentes sobre quais são os motivos e perigos que existem na Internet, espaço vazio e virtual e onde nem tudo é o que parece ser!

• Aprender / Ensinar a bloquear mensagens ofensivas ou inapropriadas, redes de ódio, violência ou intolerância ou vídeos com conteúdos sexuais e como denunciar cyber- bullying em helplines ou através da SAFERNET ou disque-denúncia tel. 100.

• Conversar sobre valores familiares e regras de proteção social para o uso saudável, crítico, construtivo e pró-social das tecnologias usando a ética de não postar qualquer mensagem de desrespeito, discriminação, intole- rância ou ódio.

Departamento de Adolescência • Sociedade Brasileira de Pediatria

page3image38888

3

Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital

  • Desconectar. Dialogar. Aproveitar oportunidades aos finais de semana e durante as férias para conviver com a família, com amigos e dividir momentos de prazer sem o uso da tecnologia, mas com afeto e alegria.

    Para Pediatras

  • Avaliar/aconselhar/orientar sobre o tempo de uso diário das tecnologias e celulares, video- games e computadores durante a entrevista ou consulta e correlacionar com os sintomas apresentados por crianças e adolescentes.

  • Avaliar hábitos de sono, alimentação, exercícios, comportamentos e condutas com os co- legas na escola, além do rendimento escolar e da dinâmica familiar. Prescrever Natureza e atividades ao ar livre, sempre que necessário.

  • Programar com as crianças/adolescentes e suas famílias, um plano de “dieta midiática” de acordo com as idades e desenvolvimen- to cognitivo e maturidade, sobre o que seria mais conveniente em termos de tempo de exposição aos conteúdos como diversão ou distração, enfatizando os cuidados necessá- rios para o acesso aos links dos filmes, vídeos, jogos e não somente limitar à quantidade de horas, assim, balanceando a qualidade X quantidade com as outras tarefas diárias.

  • Incluir nos protocolos de atendimento as rotinas que permitam tanto a prevenção como o diagnóstico e tratamento dos danos à saúde física, decorrentes do uso abusivo das tecno- logias digitais, tais como: obesidade, distúrbios do sono, lesões articulares, problemas posturais, alterações da visão, perda auditiva, transtornos comportamentais e mentais den- tre outros já demonstrados por diversos estu- dos da literatura científica.

  • Considerar e avaliar com mais atenção crian- ças e adolescentes que apresentem comportamentos agressivos, dissociativos entre o mundo real e o virtual, dependentes da tecnologia-Internet-videogames, que apre- sentem transtornos de sono, alimentação, higiene, uso de drogas ou queda do rendimen to escolar ou pratiquem/apresentam sinais de violência/bullying/cyberbullying, sinais corporais de automutilação (self-cutting) ou quando relatam “desafios” online com cole- gas da escola. Encaminhar para psicoterapia cognitivo-comportamental e terapias adjun- tas quando necessário e precocemente, inclu- sive terapia de família.

Atualizar seus conhecimentos em relação às evidências científicas sobre as influências da mídia online no desenvolvimento da saúde mental e psicossocial das crianças e adolescentes, para entender melhor as possibilidades diagnósticas dos transtornos frequentes nesta faixa etária e prescrever as principais medidas de prevenção, que também são tó- picos de saúde pública e coletiva, devido à dimensão e velocidade da disseminação das informações via Internet.

Dialogar com a família durante a consulta sobre mudanças de hábitos e estilos de vida que possam ser prejudiciais, como modelos refe- renciais para as crianças e adolescentes, tipo a prevenção de discórdias e cenas de violência ou terror em filmes, vídeos, e durante o uso de telas de computadores ou celulares. Os pais são modelos para os filhos e as rotinas da família irão se perpetuar na geração seguinte.

Colaborar com a mídia para evitar a exposi- ção de crianças e adolescentes aos conteúdos prejudiciais, distorcidos, discriminatórios ou excludentes, em qualquer matéria ou pauta de entrevista, onde o pediatra seja o profis- sional convidado. Sempre alertar/esclarecer sobre os sinais e sintomas de transtornos precoces durante a infância e adolescência, assim também em relação ao mundo digital e como procurar ajuda no sistema de saúde ou consultórios/ambulatórios de pediatria, em sua cidade.

Participar de palestras nas escolas ou campa- nhas de prevenção na sua comunidade enfatizando os direitos de todas as crianças e ado- lescentes de viverem com mais saúde e mais segurança, tanto online como offline, e, como sempre, a prevenção de riscos é o melhor investimento para a proteção social da geração digital.

page4image38096

4

  • Lembrar sempre, que a Internet é um lugar público, devendo-se, portanto, ter cuidado com fotos, mensagens, comentários sobre resultados de exames, discussão sobre casos atendidos ou sobre tratamentos e medicamentos recomendados. Evitar a exposição desnecessária de assuntos envolvendo crianças e adolescentes. Sempre usar os critérios éticos e de base legal e, em caso de qualquer dúvida, buscar orientação, junto à Sociedade Brasileira de Pediatria ou Filiadas e seus De- partamentos Científicos ou Conselho Federal e Conselhos Regionais de Medicina.

    Para Educadores e Escolas

  • Informar de modo adequado e detalhado os educadores e professores sobre o uso ético, saudável e com segurança das tecnologias e aplicativos durante o tempo de convívio com as crianças e adolescentes nas escolas e cursos.

  • Realizar atividades com os alunos e palestras de prevenção e proteção de todos, estabelecendo regras e limites no contato diário entre professores-alunos, alunos-alunos e evitando mensagens e encontros com desconhecidos com o uso das tecnologias.

  • Debater e conscientizar sobre o dever de respeito aos direitos autorais das fontes pesquisadas nas tarefas escolares, sem adotar a prática do “copia-e-cola”, prática essa conhe- cida como “pirataria” ou “baixar” materiais da Internet sem a devida citação da fonte.

  • Produzir com os próprios alunos materiais educativos e proativos sobre o uso adequado das tecnologias digitais em atividades cultu- rais como teatro e artes ou ações de protagonismo juvenil e que sejam compartilhados com as redes dos pais ou com crianças de es- colas vizinhas ou feiras nas comunidades.

  • Temas difíceis e complexos como sexualidade e exploração sexual online, comportamentos de violência, cyberbullying, uso de drogas, “brincadeiras e desafios perigosos” devem fazer parte do currículo escolar e da programação da escola em atividades ou palestras de promoção de saúde e prevenção de riscos. Se necessário, convidar pediatras especialis- tas em adolescência, ou consultar a SBP para o profissional mais recomendado em sua ci- dade.

  • Informar e procurar sempre se atualizar sobre as novas tecnologias disponíveis e como aproveitar os materiais disponíveis online para es- timular a criatividade e o trabalho em equipe e em redes, entre todos. Faça da tecnologia uma ferramenta de ensino-aprendizagem que fortaleça o vínculo de respeito e de diálogo com seu aluno sobre cidadania digital.

  • Ficar atento aos sinais de riscos pessoais, sociais ou digitais que seu aluno possa apre- sentar. Convoque os pais para uma conversa e troca de informações: sempre é melhor prevenir do que remediar!

  • Atualizar materiais, programas e aplicativos educativos, e sempre conversar com os alunos sobre os conteúdos que estão acessando ou servindo para pesquisas ou produção de conhecimentos, e assim aproveitar dos benefícios das tecnologias e, ao mesmo tempo, assegurando a máxima proteção possível para todos, na escola, que é um espelho ou microcosmos da sociedade “real”.

  • Estabelecer redes intersetoriais com os pais e com as referências profissionais de especialistas para a proteção de sua escola e deixar sempre em local visível como denunciar casos de violência, sexting ou cyberbullying ou qualquer outro problema, no disque-denún- cia tel. 100 ou acessando a rede SAFERNET www.new.safernet.org.br

  • Redigir diretrizes de comportamento e relacionamento social com ética e segurança para todos os professores e funcionários das es- colas que participam de redes sociais, como Facebook, Snapchat, Instagram e outras, sobretudo na interação com alunos, crianças/ adolescentes e familiares ou em fotos que possam expor ou constranger em público. Funcionam como códigos de conduta entre todos que convivem com a rotina escolar e o “mundo externo e real”.

Departamento de Adolescência • Sociedade Brasileira de Pediatria

  

5

Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital


Para Pais

  • Conversar com seus filhos sobre a Internet e também sobre as redes sociais e quais os sites que são mais apropriados, de acordo com o desenvolvimento e a maturidade de cada um, compartilhando o uso positivo das tecnologias digitais com seus filhos nas tarefas de rotina ou lazer, mas sem invadir os espaços e as mensagens de cada um. Fazer uma lista de sites recomendados, conversar sobre os perigos e riscos da Internet ou encontros com pessoas desconhecidas em redes sociais ou fora delas.

  • Verificar a classificação indicativa para games, filmes e vídeos e conteúdos recomendados de acordo com a idade e compreensão de seus filhos, em normas técnicas e guias práticos para todas as famílias e também acessíveis online.

  • Estabelecer regras e limites bem claros e “concordantes” entre todos sobre o tempo de duração em jogos por dia ou no final de semana e sobre a entrada e permanência em salas de bate-papo ou em redes sociais ou durante os jogos de videogames online. Não fornecer cartões de crédito de uso pessoal.

  • Discutir francamente qualquer mensagem ofensiva, discriminatória, esquisita, ameaçadora ou amedrontadora, desagradável, obscena, humilhante, confusa, inapropriada ou que contenha imagens ou palavras pornográficas ou violentas, típicas das redes de intolerância ou ódio e como fazer para bloqueá-la.

  • Recomendar aos seus filhos que JAMAIS forneçam a senha virtual a quem quer que seja, nem aceitem brindes, prêmios ou presentes oferecidos pela Internet, assim como também jamais devem ceder a qualquer tipo de chantagem, ameaça ou pressão de colegas ou de qualquer pessoa online.

  • Evitar postar fotos de seus filhos para pessoas desconhecidas ou público em geral.
    Aprenda sobre os meios de configuração de privacidade e selecione como enviar fotos, vídeos ou mensagens. Existem vários sites e aplicativos que ensinam sobre segurança
    online.

    6

Criar tempo para ser pai, mãe, avô, avó, tio/ tia, madrinha/padrinho sem o uso das tecnologias. Planejar as refeições sem qualquer uso de equipamentos à mesa. Planejar atividades de finais de semana ou férias fora e longe do wifi ou de computadores e celulares ou limitar o tempo de uso para 1-2 horas/dia para todos. Praticar atividades ao ar livre e em con- tato com a Natureza para prevenção da saúde física e mental/comportamental de todos da família.

Brincar mais com seu/s filho/s de maneira interativa, olhando, abraçando, sendo parceiro e estando ao lado deles, sempre que precisar, supervisionando e construindo uma relação de confiança, para a Vida, juntos. Para isso, não se precisa de telas de televisão, computadores ou celulares ligados! Cuidado com a distração nas ruas ou quando em movimento, dirigindo carros e bicicletas.

Participar das atividades da escola e da comunidade e criar redes de proteção e segurança online com amigos e conhecidos para todas as crianças e adolescentes de sua vizinhança ou de seu bairro ou na sua cidade.

Lembrar sempre que você como adulto, pai ou mãe, e, com a convivência diária, se torna um modelo de referência para seus filhos. Portanto, deve dar o primeiro exemplo, limitando o seu tempo de trabalho no computador, quando estiver em casa.

Desconectar e estar presencialmente com seus filhos.

Para Crianças & Adolescentes

Nas telas do mundo digital tudo é produzido como fantasia e imaginação para distrair ou afastar do mundo real – portanto, não se deixe enganar no mundo virtual.

Não marque bobeira à toa! Cuidado, desconfie de mensagens esquisitas ou confusas. Aprenda a bloquear mensagens ofensivas ou que zombem de você!

A senha é só sua, não a compartilhe com nin- guém, ninguém mesmo! Única exceção apenas para seus pais que são os responsáveis por você até completar os 18 anos, legal- mente.

  • Lembre-se que a Internet é um espaço públi-co e as mensagens trocadas ficarão para sem- pre gravadas e accessíveis, como uma história de você ou como uma impressão digital.

  • Preste atenção para não adicionar qualquer pessoa desconhecida e jamais marque encon-tros com pessoas estranhas ou conhecidas apenas pela Internet e que enviam mensagens solicitando encontros com você! Cuida- do ao utilizar a webcam, evite a exposição, se você estiver sem roupas ou mesmo no seu quarto ou sozinho em qualquer lugar.

  • Prêmios ou ofertas em dinheiro ou presentes de viagens podem ser ciladas. Surpresas e mágicas online são muitas vezes falsas para pegar otário, portanto, seja mais esperto!

  • Seja quem você é mesmo, sem criar avatares, heróis ou inimigos que nem existem, ou só existem em sua imaginação. Pode ser engraçado, mas nem sempre é brincadeira! Você pode se machucar à toa, fique sempre alerta aos desafios ou confrontos que podem termi- nar em problemas sérios, colocando sua vida em risco.

  • Seja respeitoso online e trate os outros como gostaria de ser tratado, afinal você merece respeito de todos também. Evite repassar mensagens que possam humilhar, ofender, zombar ou prejudicar a pessoa que receber este seu recado.

  • Crescer e construir o seu corpo precisa de horas de sono e alimentação balanceada e saudável. Se você estiver se sentindo cansado, sonolento, com fome ou sem apetite, ou com dor de cabeça, nas costas, nos olhos ou nos ouvidos, desligue o seu celular ou seu computador, converse com seus pais ou consulte seu médico pediatra. Conversando, a gente se entende e tudo ficará melhor! Sempre é bom ter mais cuidados de saúde e você é responsável por sua saúde física e mental, e lembre que para ser um adulto me- lhor e capaz, requer socialização, conversa e reflexão!

Referências e Sites Recomendados de Consulta

• CGI - CETIC: Comitê Gestor da Internet e Cen- tro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade de Informação: Pes- quisa TIC KIDS ONLINE – Brasil, 2015. Disponí- vel em: www.cetic/br/pesquisa/kids-online/ indicadores.

• CGI, Comitê Gestor da Internet, Cartilha de Segurança para Internet, disponível em: http://cartilha.cert.br e http://cartilha.cert.br/ computadores.

• ESSE Mundo Digital, Ética, Segurança, Saúde e Educação para crianças, adolescentes e famílias: www.essemundodigital.com.br https:// www.facebook.com/EsseMundoDigital

• NETHICS: www.nethicsedu.com.br

• Instituto Dimicuida: www.institutodimicuida.org.br

• SAFERNET: www.new.safernet.org.br

• SAFERNET: Denúncia e Hotline: www.new.safernet.org.br/denuncie#

• SAFERNET: Atendimento Psicológico: www.new.safernet.org.br/helpline#

• Classificação Indicativa do Ministério da Jus- tiça e Cidadania, portal e guia prático. Accessível em:

  • –  http://portal.mj.gov.br/ClassificacaoIndica-

    tiva/EscolhaTipo.jsp

  • –  http://justica.gov.br/seus-direitos/classifi-

    cacao

  • –  http://www.justica.gov.br/seus-direitos/

    classificacao/guia-pratico/guia-pratico.pdf

    • Nabuco, CN, Eisenstein, E, Estefenon, SGB (2013): Vivendo ESSE Mundo Digital, impactos na saúde, na educação e nos comportamen- tos sociais (2013): Porto Alegre, Ed ARTMED. Disponível como e-book: http://loja.grupoa. com.br/livros/psicologia-geral/vivendo-esse- -mundo-digital/9788565852951

    • Estefenon, SGB, Eisenstein, E. (2008): Geração Digital, riscos e benefícios das novas tecno- logias para crianças e adolescentes, Rio de Janeiro, Ed Vieira & Lent. Abrusio, J (coord)

Departamento de Adolescência • Sociedade Brasileira de Pediatria

 page7image34408

7

Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital

(2015): Educação Digital. São Paulo, Revista dos Tribunais/Thomson Reuters/ProView

  • Gregory Smith (2009): Como proteger seus filhos na Internet: um guia para pais e professores, São Paulo, Ed Novo Conceito com resenha do tradutor Valdemar Setzer dispo- nível em http://www.ime.usp.br/~vwsetzer/ como-proteger-resenha.html

  • Fraiman L, Borelli A (2016): Coleção Educação para a Cidadania Digital, ensino fundamental e médio, Nethics/OPEE editora/FTD dispo- nível em http://metodologiaopee.azurewe- bsites.net/wp-content/uploads/2016/07/ Educacao_cidadania_digital_compendio.pdf

  • Center on Media and Child Health, Children’s Hospital Boston and Harvard Medical School: Ask the Mediatrician Dr Michael Rich www.cmch.tv

  • Strasburger VC, Jordan AB, Donnerstein E. Children, Adolescents and the Media: He- alth Effects. Pediatric Clin N Amer 2012; 593: 533-587.

  • O’Keefe GS. CyberSafe: protecting and emo- wering kids in the digital world of texting, ga- ming and social media. AAP, American Acade- my of Pediatrics, Elk Grove Village, IL., 2011

  • AAP, American Academy of Pediatrics: Pediatrics 2013;132(5) available online: www.pediatrics.aappublications.org/ content/132/5/958.full

  • AAP, American Academy of Pediatrics Coun- cil on Communications and Media: Virtual Violence: Pediatrics 2016;138(1) available online: www.pediatrics.aappublications.org/ content/138/2/e20161298 e www.pedia- trics.org/cgi/doi/10.1542/peds.2016_1358

  • AAP, American Academy of Pediatrics Council on Communications and Media: Media and Young Minds

  • Available online: www.pediatrics.aappu- blications.org/content/early/2016/10/19/ peds.2016-2591

  • AAP, American Academy of Pediatrics, Coun- cil on Communications and Media: Media Use in School-aged Children and Adolescents. Pediatrics 2016;138(5):e2016-2592

• AAP, American Academy of Pediatrics, Coun- cil of Communications and Media: Children and Adolescents and Digital Media available online www.pediatrics.aappublications.org/ content/early/2016/10/19/peds.2016-2593

• Christakis DA, Garrison MM, Herrenkohl T et al. Modifying media content for pre-school children: a randomized controlled trial. Pedia- trics 2013;131(3):431-438.

• Geel MV, Vedder P, Tarilon J: Relationship between peer victimization, cyberbullying and suicide in children and adolescents: a meta-analysis. JAMA Pediatrics 2014:168 (5):435-442

• Canadian Pediatric Society, Position State- ment (PP2003-01): Impact of Media use on children and youth. Paediatric Child Health 2003;8(5).

• Canada’s Centre for Digital and Media Lite- racy. Media Awareness Network Web of Ca- nada: Digital & Media Literacy Fundamentals and Excessive Internet Use: resources for pa- rentes, available online: www.media-aware- ness.ca

• Moreno MA, Ton A, Selkie E, et al. Secret so- ciety 123: understanding the language of self-harm on Instagram. J Adolescent Health 2016;58(1):78-84.

• Waarsdorp TE, Bradshaw CP: The overlap be- tween cyberbullying and traditional bullying. J Adolescent Health 2015;56(5):483-488.

Glossário Digital

(fique atualizado com alguns termos usados na Inter- net e no texto do documento):

  • Antivírus: programa de computador que loca- liza e corrige, limpando os estragos causados por programas de vírus.

  • Avatar: palavra derivada do sânscrito e reve- renciada como divindade pelos hinduístas e que significa a manifestação corporal de um ser imortal. É usada pela realidade virtual como figura para emprestar sua vida simulada para o transporte dos jogadores online para dentro dos mundos paralelos do ciberespaço,

 page8image32008

8

como se fosse uma máscara digital que trans- forma a identidade das pessoas.

  • Antimalware: programa que se instala no computador ou dispositivos para proteger da transmissão de vírus.

  • Antispam: programa que se instala no com- putador ou dispositivos para se proteger de mensagens comerciais ou não desejadas que lotam a caixa de correio eletrônico, geralmen- te contendo publicidade de algum produto ou materiais de pornografia e que podem captu- rar dados confidenciais do usuário. (outro pa- rágrafo).

  • Bullying: termo inglês utilizado para descre- ver atos de violência física, psicológica ou se- xual, intencionais, para intimidação, ofensa, humilhação, depreciação, maltrato ou ameaça por um indivíduo (bully) ou grupo de indivídu- os/pares de colegas, com o objetivo de agredir, amedrontar ou exercer o poder da força contra outro indivíduo ou grupo de indivíduos/pares de colegas incapaz(es) de se defender.

  • Cyberbullying: é o mesmo ato de violência do bullying que ocorre nas redes sociais ou em jogos online, na Internet, mas que extrapola e dissemina sem qualquer controle.

  • Cybernautas ou cibernautas: são as pessoas que usam a Internet, redes sociais ou jogos online através dos computadores ou de qual- quer outro dispositivo das tecnologias de in- formação e comunicação (TICs).

  • Desafios ou brincadeiras perigosas: jogos en- tre colegas adolescentes com confrontação de poder e teste de limites corporais do ga- nhador ou do perdedor, como recompensa ou castigo pela tarefa que foi (ou não) realizada ou cumprida, caracterizando uma das formas de violência do bullying / cyberbullying, po- dendo causar sufocação por enforcamento, convulsões, dores-de-cabeça, cortes-no-pes- coço, fraturas, traumatismo craneano, hipóxia e morte. Sempre verificar lesões no pescoço, cortes ou pequenos hematomas, olhos ver- melhos, dores-de-cabeça. Consta no CID-10 como item Y93.85, como causa externa de ati- vidade de desmaio ou sufocação ou choking game activity.

Dieta midiática: refere a quantidade e quali- dade & tipo de mídia que é consumida (pla- taforma e conteúdos na imprensa/revistas/ livros, ou televisão, computador, portáteis como notebooks ou telefones celulares e smartphones). E à semelhança da alimentação e dietas, as “dietas midiáticas” precisam ser progressivas dependendo da idade e matu- ridade da criança e daí os conteúdos serem “nutritivos” e pró-sociais saudáveis ou preju- diciais e desequilibrados, ou ainda, saudáveis em qualidade, mas danosos em quantidade.

Emoticons e emojis: forma de comunicação paralinguística usando ícones ou símbolos criados para significar uma emoção através de uma sequência de caracteres tipográfi- cos, como: “;0>))” ou “^-^” ou uma imagem, usualmente pequena que traduz ou tenta ex- pressar a emoção que a pessoa está sentindo ao transmitir as palavras nas trocas de men- sagens e na pressa de se comunicar que vão sendo cada vez mais incorporadas aos com- portamentos e relacionamentos online .

Gamificação: uso de elementos dos games numa atividade do mundo real de uma for- ma atraente para trocas de mensagens com a perspectiva de jogar online.

Grooming: técnicas de sedução ou comporta- mentos sedutores que acontecem nas redes sociais quando uma pessoa mal-intencionada ou pedófila tenta atrair uma criança ou adoles- cente com falsidades ou inventando histórias ou mentiras para capturar a atenção da vítima.

Helpline: rede de ajuda online e que pode ser acessada de qualquer computador.

Hotline: serviço de recebimento de denún- cias anônimas de crimes e violações contra os Direitos Humanos na Internet, contando com procedimentos efetivos e transparentes para lidar com as denúncias. Accessível e gratuito e pode ser acessado de qualquer computador.

Links: “objeto” que pode ser uma palavra, nome ou uma sigla que liga uma página à ou- tra, facilitando a navegação por múltiplos si- tes. Pode estar associado a fotos ou textos e geralmente é acessado por uma curta linha de texto em azul e sublinhado.

Departamento de Adolescência • Sociedade Brasileira de Pediatria

page9image37760

9

Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital

  • Nude: palavra popular que significa um pe- dido para a pessoa enviar uma foto ou imagem nua ou sem roupas com a intenção de se expor à opinião de outra (ou outras) – ato ou comportamento perigoso que pode caracterizar crime de exploração sexual.

  • On-line ou online e off-line ou offline: signifi- ca estar ligado ou conectado à Internet ou ao contrário, desligado ou desconectado.

  • Self-cutting: cortes de automutilação que ge-ralmente as adolescentes fazem como gestos de autoagressão ou gestos suicidas, com o significado de não sentir a dor do sofrimento por bloqueio emocional ou afetivo. Compor- tamento que se tornou mais frequente prin- cipalmente em adolescentes com transtornos alimentares ou depressivos e que assim ex- pressam a sua dor em fotos nas redes sociais e compartilham este feito pseudo-heroico de sacrifício com outras colegas adolescen- tes, em vez de procurar ajuda para resolver seus problemas emocionais ou familiares. Algumas usam piercing também colocando objetos como brincos ou pulseiras ou fazen- do tatuagens para cobrir os cortes feitos nos braços ou nos tornozelos, para disfarçar as ci- catrizes.

  • Senha: um código que pode conter letras ou números e que dá o acesso ao computador, telefone celular ou outros dispositivos com acesso a programas e aplicativos. É sempre pessoal e intransferível e uma medida de se- gurança e privacidade.

  • Sexting: mensagens, fotos ou vídeos de conteúdo sexual que são transmitidas como comportamentos de sedução ou atração de outra pessoa através da Internet e que pode carac- terizar exposição corporal de criança ou adolescente e crime de exploração sexual online. Frequentemente acompanham o ato de cyber- bullying entre adolescentes.

  • Site: conjunto de páginas da Internet sobre um determinado tema ou descritivo de um autor ou que descreve uma instituição como se fosse um cartão-de-visitas e contato.

  • Software: programas que permitem ao com- putador realizar as tarefas programadas.

Videogames ou jogos online: desenhos ou jogos interativos de ação e muito dinamismo com sons e coloridos espantosos e que cha- mam a atenção por serem atraentes e requererem bastante concentração e habilidade para se ganhar pontos ou recompensas e que podem ser jogados em solitário ou em grupos de colegas ou com parceiros desconhecidos. Tornam-se viciantes por serem bastante atra- tivos aos adolescentes que conseguem “do- minar” o jogo e “vencer” o adversário ou sua equipe (ou não). Atualmente as indústrias que exploram este entretenimento são lucrativas e investem em campeonatos entre adoles- centes que assim se tornam “atletas virtuais”, apesar de serem totalmente sedentários pois ficam sentados inúmeras horas no jogo e sem desconectar e sair para outras atividades escolares ou tarefas diárias do convívio familiar. Cada videogame tem nomes e figuras carac- terísticas dos “heróis”, que ficam marcantes e que são usados pela indústria de consumo para vender produtos, também.

  • Vlogs: são vídeoblogs que se transformaram nos diários pessoais, mas que são públicos na Internet, onde o usuário conta sobre si mes- mo ou sobre seu dia, sua vida ou algum tema e deixa-os abertos como mural para a opinião dos amigos ou do público em geral.

  • Webcam: câmera de vídeo conectada ao com- putador usada na transmissão de imagens ou para monitorar ambientes, em videocon- ferências ou outras aplicações. Atualmente são partes embutidas nos computadores ou notebooks ou laptops e em muitos telefones celulares e smartphones, e assim as pessoas conseguem ‘se ver’ à distância, enquanto con- versam conectadas – por isso, também, usa- das em alguns jogos online.

    Wi-Fi: produto certificado e que pertence à classe dos dispositivos da rede local sem fios e que facilitam o acesso à Internet, geralmente em residências, escritórios ou escolas e locais públicos. Muitas crianças e adolescentes, atu- almente, só querem ir a locais com Wi-Fi, para conectarem com a Internet e assim poderem jogar online e mesmo sem saber do que se tra- ta, perguntam: tem wifi? e se pronuncia uáifai.

page10image38968

10

www: dos termos em inglês, world wide web, que descreve o ambiente multimídia da Inter- net com a reunião de textos, imagens, víde- os e muito movimento e que pode ser aces- sada de qualquer computador ou dispositivo da tecnologia de informação e comunicação (TIC).

Youtubers: adolescentes que produzem si- mulações de jogos eletrônicos ou vídeos com tutoriais sobre qualquer tema e criações próprias e que podem ser editadas e disse- minadas entre colegas e nas redes sociais, sem qualquer custo e podem ser tornadas lu- crativas, dependendo dos acessos de outros. Muitas vezes incentivam a prática de desafios ou brincadeiras perigosas ou dietas mágicas para emagrecer ou ficar mais “sarado” (mus- culoso) ou qualquer mania ou modismo.

Adendos Legais para Consultas

(agradecimentos à Dra. Juliana Abrusio, advogada es- pecializada em direitos digitais em São Paulo, Nethics).

• No Brasil, a Constituição Federal (1988) no artigo 227 assegura a proteção integral da criança e do adolescente como prioridade absoluta1 de acordo com a Convenção dos Direitos da Criança aprovada pela Assem- bléia Geral das Nações Unidas (1989)2. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei no 8069/1990, reitera que “a criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana (...) assegurando-lhes (...) todas as oportuni- dades e facilidades, afim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espi- ritual e social, em condições de liberdade e de dignidade”. E ainda, “é dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prio- ridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao

1 Art. 227 da Constituição Federal: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

esporte, ao lazer, à profissionalização, à cul-tura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária” (arts. 3o e 4o)3.

• Nota-se, ademais, a preocupação do legisla- dor brasileiro revelada pela recente Lei no 12.965/2014, o Marco Civil da Internet, o qual, além de fomentar a educação digital4, em seu artigo 29 faculta aos pais usuários das TICs a opção de livre escolha de programa para exercício de controle parental a filhos menores como formas de proteção às mudanças tecnológicas, em especial sobre os impactos provocados nas famílias, em especial nas rotinas e vivências das crianças e dos adoles- centes5.

Porém, tanto os pais como os educadores nas escolas precisam aprender como exercer esta mediação e serem alertados sobre os riscos e os limites necessários para assumirem esta responsabilidade.

• A recente Lei no 13.185/2015 institui o programa de combate à intimidação sistemática a fatos ou imagens que depreciem, incitem à violência, à adulteração de fotos ou dados pessoais com o intuito de criar meios de constrangimento psicossocial (bullying) ou atra- vés da rede mundial de computadores (cyber- bullying).

• A Lei no 11.829/2008 conferiu nova redação ao artigo 241, e respectivos parágrafos e alíneas, do Estatuto da Criança e Adolescente, para considerar como crime a transmissão, pela internet, de conteúdos que contenham sexo explícito ou pornográfico envolvendo criança ou adolescente6.

• A Constituição Federal, em seu artigo 5o, inci- so X assegura o direito fundamental à priva- cidade, no que inclui as crianças e adolescen- tes, a cuja tutela legal deve-se dar a máxima atenção em questões envolvendo as TICs, pela facilidade e falta de transparência quanto à privacidade dos indivíduos.

2 O Decreto no 99.710 de 21 de Novembro de 1990 promulga, no Brasil, a Convenção sobre os Direitos da Criança, da qual o Brasil ratificou em 24 de setembro de 1990.

3 No mesmo sentido, cite-se, ainda, artigo 17: O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, ideias e crenças, dos es-

Departamento de Adolescência • Sociedade Brasileira de Pediatria

 page11image41288 page11image41448

11

Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital

page12image1296

paços e objetos pessoais. E, artigo 18: É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qual-quer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor. (ambos artigos da Lei no 8069/ de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente).

  1. 4  Art. 26 da Lei no 12.965/2014 (Marco Civil da Internet): O cumprimento do dever constitucional do Estado na prestação da educação, em todos os níveis de ensino, inclui a capacitação, integrada a outras práticas educacionais, para o uso seguro, consciente e responsável da internet como ferramenta para o exercício da ci- dadania, a promoção da cultura e o desenvolvimento tecnológico.

  2. 5  Art. 29 da Lei no 12.965/2014 (Marco Civil da Internet): O usuário terá a opção de livre escolha na utilização de programa de computador em seu terminal para exercício do controle parental de conteúdo entendido por ele como impróprio a seus filhos menores, desde que respeitados os princípios desta Lei e da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente.

6

Parágrafo único. Cabe ao poder público, em conjunto com os provedores de conexão e de aplicações de internet e a sociedade ci- vil, promover a educação e fornecer informações sobre o uso dos programas de computador previstos no caput, bem como para a definição de boas práticas para a inclusão digital de crianças e adolescentes.

Art. 241-A. Oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, distribuir, pu- blicar ou divulgar por qualquer meio, inclusive por meio de sist ma de informática ou telemático, fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente. Pena – reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos, e multa.

§ 1o Nas mesmas penas incorre quem:
I – assegura os meios ou serviços para o armazenamento das foto- gra
fias, cenas ou imagens de que trata o caput deste artigo;
II – assegura, por qualquer meio, o acesso por rede de computa- dores às fotogra
fias, cenas ou imagens de que trata o caput deste artigo.

page12image20208

12

Departamento de Adolescência • Sociedade Brasileira de Pediatria

page13image1320 page13image2920 page13image3080 page13image3240

PRESIDENTE:

Luciana Rodrigues Silva (BA)

1o VICE-PRESIDENTE:

Clóvis Francisco Constantino (SP)

2o VICE-PRESIDENTE:

Edson Ferreira Liberal (RJ)

SECRETÁRIO GERAL:

Sidnei Ferreira (RJ)

1o SECRETÁRIO:

Cláudio Hoineff (RJ)

2o SECRETÁRIO:

Paulo de Jesus Hartmann Nader (RS)

3o SECRETÁRIO:

Virgínia Resende Silva Weffort (MG)

DIRETORIA FINANCEIRA:

Maria Tereza Fonseca da Costa (RJ)

2a DIRETORIA FINANCEIRA:

Ana Cristina Ribeiro Zöllner (SP)

3a DIRETORIA FINANCEIRA:

Fátima Maria Lindoso da Silva Lima (GO)

DIRETORIA DE INTEGRAÇÃO REGIONAL:

Fernando Antônio Castro Barreiro (BA)

Membros:

Hans Walter Ferreira Greve (BA)
Eveline Campos Monteiro de Castro (CE) Alberto Jorge Félix Costa (MS)
Analíria Moraes Pimentel (PE)
Corina Maria Nina Viana Batista (AM) Adelma Alves de Figueiredo (RR)
COORDENADORES REGIONAIS:
Norte:
Bruno Acatauassu Paes Barreto (PA) Nordeste:
Anamaria Cavalcante e Silva (CE) Sudeste:
Luciano Amedée Péret Filho (MG)
Sul:
Darci Vieira Silva Bonetto (PR) Centro-oeste:
Regina Maria Santos Marques (GO)

ASSESSORES DA PRESIDÊNCIA:
Assessoria para Assuntos Parlamentares:
Marun David Cury (SP)
Assessoria de Relações Institucionais:
Clóvis Francisco Constantino (SP)
Assessoria de Políticas Públicas:
Mário Roberto Hirschheimer (SP)
Rubens Feferbaum (SP)
Maria Albertina Santiago Rego (MG)
Sérgio Tadeu Martins Marba (SP)
Assessoria de Políticas Públicas – Crianças e Adolescentes com Deficiência:
Alda Elizabeth Boehler Iglesias Azevedo (MT) Eduardo Jorge Custódio da Silva (RJ) Assessoria de Acompanhamento da Licença Maternidade e Paternidade:
João Coriolano Rego Barros (SP)
Alexandre Lopes Miralha (AM)
Ana Luiza Velloso da Paz Matos (BA)
Assessoria para Campanhas:
Conceição Aparecida de Mattos Segre (SP) GRUPOS DE TRABALHO:
Drogas e Violência na Adolescência:
Evelyn Eisenstein (RJ)
Doenças Raras:
Magda Maria Sales Carneiro Sampaio (SP) Metodologia Científica:
Gisélia Alves Pontes da Silva (PE)
Cláudio Leone (SP)
Pediatria e Humanidade:
Álvaro Jorge Madeiro Leite (CE)
Luciana Rodrigues Silva (BA)
Christian Muller (DF)
João de Melo Régis Filho (PE)
Transplante em Pediatria:
Themis Reverbel da Silveira (RS)
Irene Kazue Miura (SP)
Carmen Lúcia Bonnet (PR)
Adriana Seber (SP)
Paulo Cesar Koch Nogueira (SP)
Fabiana Carlese (SP)

DIRETORIA E COORDENAÇÕES:
DIRETORIA DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL
Maria Marluce dos Santos Vilela (SP) COORDENAÇÃO DO CEXTEP:
Hélcio Villaça Simões (RJ)

Diretoria

Triênio 2016/2018

COORDENAÇÃO DE ÁREA DE ATUAÇÃO

Mauro Batista de Morais (SP)

COORDENAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

José Hugo de Lins Pessoa (SP)

DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Nelson Augusto Rosário Filho (PR)

REPRESENTANTE NO GPEC (Global Pediatric Education Consortium)
Ricardo do Rego Barros (RJ)
REPRESENTANTE NA ACADEMIA AMERICANA DE PEDIATRIA (AAP) Sérgio Augusto Cabral (RJ)

REPRESENTANTE NA AMÉRICA LATINA

Francisco José Penna (MG)

DIRETORIA DE DEFESA PROFISSIONAL, BENEFÍCIOS E PREVIDÊNCIA

Marun David Cury (SP)

DIRETORIA-ADJUNTA DE DEFESA PROFISSIONAL

Sidnei Ferreira (RJ)
Cláudio Barsanti (SP)
Paulo Tadeu Falanghe (SP)
Cláudio Orestes Britto Filho (PB)
Mário Roberto Hirschheimer (SP)
João Cândido de Souza Borges (CE)
COORDENAÇÃO VIGILASUS
Anamaria Cavalcante e Silva (CE)
Fábio Elíseo Fernandes Álvares Leite (SP)
Jussara Melo de Cerqueira Maia (RN)
Edson Ferreira Liberal (RJ)
Célia Maria Stolze Silvany ((BA)
Kátia Galeão Brandt (PE)
Elizete Aparecida Lomazi (SP)
Maria Albertina Santiago Rego (MG)
Isabel Rey Madeira (RJ)
Jocileide Sales Campos (CE)
COORDENAÇÃO DE SAÚDE SUPLEMENTAR
Maria Nazareth Ramos Silva (RJ)
Corina Maria Nina Viana Batista (AM)
Álvaro Machado Neto (AL)
Joana Angélica Paiva Maciel (CE)
Cecim El Achkar (SC)
Maria Helena Simões Freitas e Silva (MA)
COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO DE CONSULTÓRIO Normeide Pedreira dos Santos (BA)
DIRETORIA DOS DEPARTAMENTOS CIENTÍFICOS E COORDENAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS
Dirceu Solé (SP)
DIRETORIA-ADJUNTA DOS DEPARTAMENTOS CIENTÍFICOS
Lícia Maria Oliveira Moreira (BA)
DIRETORIA DE CURSOS, EVENTOS E PROMOÇÕES
Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck (SP)
COORDENAÇÃO DE CONGRESSOS E SIMPÓSIOS
Ricardo Queiroz Gurgel (SE)
Paulo César Guimarães (RJ)
Cléa Rodrigues Leone (SP)
COORDENAÇÃO GERAL DOS PROGRAMAS DE ATUALIZAÇÃO Ricardo Queiroz Gurgel (SE)
COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE REANIMAÇÃO NEONATAL: Maria Fernanda Branco de Almeida (SP)
Ruth Guinsburg (SP)
COORDENAÇÃO PALS – REANIMAÇÃO PEDIÁTRICA
Alexandre Rodrigues Ferreira (MG)
Kátia Laureano dos Santos (PB)
COORDENAÇÃO BLS – SUPORTE BÁSICO DE VIDA
Valéria Maria Bezerra Silva (PE)
COORDENAÇÃO DO CURSO DE APRIMORAMENTO EM NUTROLOGIA PEDIÁTRICA (CANP)
Virgínia Resende S. Weffort (MG)
CONVERSANDO COM O PEDIATRA
Victor Horácio da Costa Júnior (PR)
PORTAL SBP
Flávio Diniz Capanema (MG)
COORDENAÇÃO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA
José Maria Lopes (RJ)
PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO CONTINUADA À DISTÂNCIA Altacílio Aparecido Nunes (SP)
João Joaquim Freitas do Amaral (CE)
DOCUMENTOS CIENTÍFICOS
Luciana Rodrigues Silva (BA)
Dirceu Solé (SP)
Emanuel Sávio Cavalcanti Sarinho (PE)
Joel Alves Lamounier (MG)
DIRETORIA DE PUBLICAÇÕES
Fábio Ancona Lopez (SP)
EDITORES DA REVISTA SBP CIÊNCIA
Joel Alves Lamounier (SP)
Altacílio Aparecido Nunes (SP)
Paulo Cesar Pinho Pinheiro (MG)
Flávio Diniz Capanema (MG)
EDITOR DO JORNAL DE PEDIATRIA
Renato Procianoy (RS)

EDITOR REVISTA RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

Clémax Couto Sant’Anna (RJ)

EDITOR ADJUNTO REVISTA RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

Marilene Augusta Rocha Crispino Santos (RJ)

CONSELHO EDITORIAL EXECUTIVO

Gil Simões Batista (RJ)
Sidnei Ferreira (RJ)
Isabel Rey Madeira (RJ)
Sandra Mara Amaral (RJ)
Bianca Carareto Alves Verardino (RJ) Maria de Fátima B. Pombo March (RJ) Sílvio Rocha Carvalho (RJ)

Rafaela Baroni Aurilio (RJ)

COORDENAÇÃO DO PRONAP

Carlos Alberto Nogueira-de-Almeida (SP) Fernanda Luísa Ceragioli Oliveira (SP) COORDENAÇÃO DO TRATADO DE PEDIATRIA Luciana Rodrigues Silva (BA)

Fábio Ancona Lopez (SP)

DIRETORIA DE ENSINO E PESQUISA

Joel Alves Lamounier (MG)

COORDENAÇÃO DE PESQUISA

Cláudio Leone (SP)

COORDENAÇÃO DE PESQUISA-ADJUNTA

Gisélia Alves Pontes da Silva (PE)

COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO

Rosana Fiorini Puccini (SP)

COORDENAÇÃO ADJUNTA DE GRADUAÇÃO

Rosana Alves (ES)
Suzy Santana Cavalcante (BA)
Angélica Maria Bicudo-Zeferino (SP)
Silvia Wanick Sarinho (PE)
COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO
Victor Horácio da Costa Junior (PR)
Eduardo Jorge da Fonseca Lima (PE)
Fátima Maria Lindoso da Silva Lima (GO)
Ana Cristina Ribeiro Zöllner (SP)
Jefferson Pedro Piva (RS)
COORDENAÇÃO DE RESIDÊNCIA E ESTÁGIOS EM PEDIATRIA Paulo de Jesus Hartmann Nader (RS)
Ana Cristina Ribeiro Zöllner (SP)
Victor Horácio da Costa Junior (PR)
Clóvis Francisco Constantino (SP)
Silvio da Rocha Carvalho (RJ)
Tânia Denise Resener (RS)
Delia Maria de Moura Lima Herrmann (AL)
Helita Regina F. Cardoso de Azevedo (BA)
Jefferson Pedro Piva (RS)
Sérgio Luís Amantéa (RS)
Gil Simões Batista (RJ)
Susana Maciel Wuillaume (RJ)
Aurimery Gomes Chermont (PA)
COORDENAÇÃO DE DOUTRINA PEDIÁTRICA
Luciana Rodrigues Silva (BA)
Hélcio Maranhão (RN)
COORDENAÇÃO DAS LIGAS DOS ESTUDANTES
Edson Ferreira Liberal (RJ)
Luciano Abreu de Miranda Pinto (RJ)
COORDENAÇÃO DE INTERCÂMBIO EM RESIDÊNCIA NACIONAL Susana Maciel Wuillaume (RJ)
COORDENAÇÃO DE INTERCÂMBIO EM RESIDÊNCIA INTERNACIONAL Herberto José Chong Neto (PR)
DIRETOR DE PATRIMÔNIO
Cláudio Barsanti (SP)
COMISSÃO DE SINDICÂNCIA
Gilberto Pascolat (PR)
Aníbal Augusto Gaudêncio de Melo (PE)
Isabel Rey Madeira (RJ)
Joaquim João Caetano Menezes (SP)
Valmin Ramos da Silva (ES)
Paulo Tadeu Falanghe (SP)
Tânia Denise Resener (RS)
João Coriolano Rego Barros (SP)
Maria Sidneuma de Melo Ventura (CE)
Marisa Lopes Miranda (SP)
CONSELHO FISCAL
Titulares:
Núbia Mendonça (SE)
Nélson Grisard (SC)
Antônio Márcio Junqueira Lisboa (DF)
Suplentes:
Adelma Alves de Figueiredo (RR)
João de Melo Régis Filho (PE)
Darci Vieira da Silva Bonetto (PR)
ACADEMIA BRASILEIRA DE PEDIATRIA
Presidente:
José Martins Filho (SP)
Vice-presidente:
Álvaro de Lima Machado (ES)
Secretário Geral:
Reinaldo de Menezes Martins (RJ)

page13image84072

13