Psicopatologia e Cinema: Melancolia

Letícia Calmon Drummond Amorim*

Em uma mistura de drama e ficção científica, Lars Von Trier roteirista e diretor do filme mergulha literalmente na melancolia, seja na forma de planeta azul colidindo com a terra, seja compartilhando os sentimentos de depressão e ansiedade de duas irmãs, personagens em torno do qual a trama se desenvolve.

A história é dividida psicopatologicamente em duas partes, a primeira foca o Transtorno depressivo: a tristeza e a insegurança de Justine (Kirsten Dunst - perfeita no papel) na festa do seu casamento, após os discursos dos pais da noiva (que são divorciados) iniciam as tensões que acabam com a alegria da festa. As cenas vão, gradualmente, nos apresentando ao caos emocional que Justine vivencia e que as insistentes perguntas de seus familiares “você está feliz?”, não são retóricas e sim denunciam um histórico prévio que justifica tanta preocupação. A personagem nos envolve com expressões tristes e sorrisos mecânicos, quando é acusada por sua irmã por não estar gostando da festa organizada por ela e seu marido fica nítido que há um esforço dela em representar “mas eu estou sorrindo, sorrindo, sorrindo”, e assim o quadro de depressão vai abrindo, pode-se evidenciar os sintomas: anedonia, humor depressivo, sentimento de insuficiência e apatia. Esta segundo Jasper se refere à ausência de sentimento que sendo totalfaz com que o sujeito seja capaz de ouvir e ver com consciência e perfeita orientação, memorizar o que observa e no entanto deixar passar com a mesma indiferença, falta estímulo para agir: a apatia traz como conseqüência a abulia. Sentimento de falta de sentimento nas palavras de Jasper “um sentir torturante de não sentir nada” (quando o marido vai embora ela já não demonstra qualquer tipo de emoção) e o quadro vai evoluindo durante a segunda parte da narrativa onde ela não tem iniciativa para tomar banho e se alimentar, a ausência de sentimento na alimentação diz respeito a não sentir o paladar, tão pouco a satisfação. Observam-se sensações corpóreas ou alucinações dos sentidos corpóreos: interessante a cena em que ao provar seu prato predileto diz “tem gosto de cinzas” e também a cena na qual ela diz não conseguir andar por ter um fio de lã entre as pernas.

A segunda parte foca o Transtorno fóbico-ansioso: a ansiedade de Claire (Charlotte Gainsbourg) enquanto se divide na preocupação em cuidar da irmã deprimida e com a aproximação de Melancolia, um planeta azul que se aproxima da terra. Na primeira parte do filme Claire aparece como rígida, dando a sensação de se prender aos rituais para controlar seus anseios e inseguranças, na segunda parte do filme evidencia-se o desgaste que a doença de sua irmã provoca nela, como pode ser constatado em diversos estudos (em pesquisa ao site BVS foram constatados 3.200 publicações que associam a palavra stress a cuidadores). À medida que o planeta se aproxima da terra ela vai perdendo o controle e apresenta ataques de pânico: taquicardia, sensação de falta de ar, ansiedade, sensação de morte.

Para os existencialistas a consciência da sua própria finitude provoca angústia ao homem, e é interessante observar como essa angústia é vivenciada pelas personagens, a eminência do fim provoca transformações em ambas: Justine fica serena e tranquila, em parte por já estar alheia a vida, mas também por aceitar não ter controle sobre o que vai acontecer, ao contrário de Claire que descompensa, sempre acostumada a ter seus passos cronologicamente agendados, algo que a tire da sua rotina planejada faz com que se desestabilize, regrida e tenha atitudes imaturas.

É um filme belo, reflexivo, denso e angustiante, recomendo que se escolha um bom momento para assisti-lo, pois o objetivo do filme é muito mais provocar do que entreter, vale a pena conferir.

 

* Cinéfila e psiquiatra

Referências:

http://epocasaopaulo.globo.com/cultura/tristeza-nao-tem-fim-em-melancolia-filme-de-lars-von-trier/

http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2011/08/correcao-estreia-melancolia-traz-visao-de-von-trier-sobre-vida.html

http://cinema.cineclick.uol.com.br/criticas/ficha/filme/melancolia/id/2768

http://www.cinemaemcena.com.br/Ficha_filme.aspx?id_critica=7740&id_filme=9898&aba=critica

Psicopatologia Geral – Karl Jasper, 8ª edição editora Atheneu

http://regional.bvsalud.org/php/index.php

Texto anteriormente publicado no extinto blog Jornal da Cuca em 20/11/2011